domingo, 10 de abril de 2011

TESTE: Atriz com DRT para a comédia

 
Perfil: Mulher, 25 a 45 anos, com Drt, disponibilidade para ensaios as quartas feiras das 17 as 19hs (inicialmente). 
 
Texto comédia falando sobre a vida de atrizes desempregadas. Material até 12/04. Teste dia 13/04 em Jacarepaguá.

Curriculum em anexo em arquivo .doc e fotos com baixa resolução, não precisam ser profissionais.

Colocar no título: "Material ENG"

Quem estiver no perfil, receberá um pequeno texto a ser decorado pro dia do teste.

Boa sorte a todas!

Marcio Navarro

E-mail: marcionavarroteatro2@gmail.com

sábado, 9 de abril de 2011

CINEMA: Mostra Commedia All’Italiana



“A commedia all’italiana não é um produto de 1958 ou do nosso cinema ou de um indivíduo concreto. A commedia all’italiana existe desde sempre na Itália. É a condição a partir da qual podemos apresentar nosso lado da verdade, a nossa sociedade, os nossos desejos, desesperos, com todas as cores que misturam o cômico e a farsa, a miséria, a morte e a doença.” (Mario Monicelli, em entrevista concedida em 2008)
“Commedia all’italiana” é uma mostra de cinema retrospectiva internacional que visa homenagear este gênero popular e peculiar do cinema italiano considerado fundamental pela crítica, tanto pela consolidação da comédia de costumes no panorama cultural cinematográfico de uma época quanto por suas influências no Brasil e no mundo.

Entrada Gratuita
02 a 06 MAI
Aproveitando as comemorações do Momento Itália-Brasil, serão exibidos durante 1 semana filmes dos mais significativos do gênero, cujo auge produtivo situa-se entre o final da década de 1950 e o fim da década de 1970.

Além dos filmes, a mostra prevê a realização do curso “Commedia all’italiana”, com o crítico, historiador e pesquisador de cinema italiano Enrico Giacovelli.

Durante a mostra, será lançado o livro “Commedia all’italiana” – primeira publicação sobre o gênero a ser editada no Brasil. Organizado por Kelly Santos e Raphael Fonseca, o livro é uma contribuição de pesquisadores brasileiros e italianos para o cinema internacional.

CURSO: Roteiro Adaptado - da Literatura ao Cinema





O objetivo desse curso identificar as diferenças essenciais entre a linguagem cinematográfica e a linguagem literária e as dificuldades ligadas ao processo de adaptar literatura ao cinema. As principais técnicas serão apresentadas ao longo de um processo que inclui a escrita de um esboço de roteiro adaptado por parte dos alunos.
David França Mendes, diretor e roteirista, encarregado do curso, adaptou para o cinema o livro de Sérgio Sant’Anna "Um Romance de Geração", o livro de Fernando Moraes "Corações Sujos" e está atualmente escrevendo a adaptação cinematográfica do romance de Roberto Bolaño "Estrela Distante".

com David França Mendes
10, 17, 24, 31 MAI e 7, 14 e 21 JUN
Terças, das 19h às 21h30
Curso em 7 de aulas de 2h30 cada

Aula 1: Diferença estrutural entre roteiro e texto literário. A especificidade da narrativa dramática. A necessidade do controle do tempo. Apresentação do texto a ser adaptado pelo grupo.

Aula 2: Análise funcional do texto literário visando a adaptação: como olhar o texto como um roteirista? Idenfiticação de tema, conflito, abordagem e escolha de recorte. Início da aplicação desses conceitos e técnicas ao texto que será adaptado pelo grupo.

Aula 3: As decisões do adaptador. A questão da fidelidade, a necessidade de apropriação da obra pelo roteirista, a liberdade do roteirista no roteiro adaptado. Como escolher o que fica e o que sai, o que se mantém e o que se modifica do livro? Aplicação dessas técnicas ao texto de trabalho do grupo.

Aula 4: A estrutura dramática. Os princípios mais importantes da estrutura dramática precisam ser entendidos para fazer a adaptação. Técnicas de estruturação. Aplicação dessas técnicas ao texto de trabalho.

Aula 5: Apresentação pelos alunos das suas propostas de estrutura adaptada a partir do texto de trabalho do grupo, crítica das propostas, trabalho em cima das propostas aplicando técnicas de estrutura.

Aula 6: Apresentação pelos alunos de cenas escritas a partir das estruturas/propostas definidas na aula anterior. Crítica das cenas e apresentação de ténicas de redação e diálogos.

Aula 7: Apresentação final de textos, discussão das dificuldades do processo e de como ultrapassá-las. Identificação da origem dos principais problemas. Recapitulação dos principais conceitos, do ponto de vista desta vez de uma turma que enfrentou o processo prático de uma tentativa de adaptação. Dúvidas finais.

Currículo:

David França Mendes é diretor e roteirista, com trabalhos em cinema e televisão. Em 2009, lançou o longa-metragem "Um Romance de Geração", que escreveu e dirigiu, e a série "Quase Anônimos", do Multishow, da qual foi criador e fez roteiro final. Em 2011 será lançado "Corações Sujos", filme de Vicente Amorim, do qual fez o roteiro, e estreará sua primeira peça de teatro, "Não é Amor". Escreveu o roteiro dos longas-metragens "O Caminho das Nuvens", "2000 Nordestes" (do qual é também co-diretor) e "Irmãos de Fé", dirigiu e roteirizou quatro curtas-metragens e centenas de programas de TV. Foi diretor de desenvolvimento da produtora Mixer de 2006 a 2009. Atualmente, escreve o roteiro para um longa metragem em co-produção Brasil-França, também para a Mixer, e prepara seu segundo longa como diretor.

Valor: R$ 600,00

OFICINA: Cinema em Foco: A arte da Direção


Cinema em Foco: A arte da Direção


Ciclo de palestras composto por encontros com diretores brasileiros contemporâneos que discutirão linguagem, narrativa e estética cinematográfica. A cada encontro um olhar.

com Sérgio Rezende
13 ABR
Quarta, 19h30 às 21h30
Sérgio Rezende é diretor. Seu primeiro longa-metragem de ficção, O sonho não acabou, recebeu o prêmio da crítica do Festival de Gramado em 1982. Com O homem da capa preta (1985), um perfil de Tenório Cavalcanti, foi o grande vencedor do Festival de Gramado de 1986, iniciando uma trilogia sobre importantes personagens da história do país, completada com Lamarca (1994) e Mauá - O imperador e o rei (1999). Em 1997, dirigiu Guerra de Canudos, a maior produção brasileira até então, e também a maior bilheteria do cinema brasileiro daquele ano, com cerca de 650 mil espectadores. Em 2006, lançou Zuzu Angel, que conta a história da estilista consagrada, e de seu filho Stuart, um dos maiores inimigos do regime militar. Seu filme mais recente é o longa de ficção Salve geral, também com produção de Joaquim Vaz de Carvalho e com Andréa Beltrão no elenco, baseado nos ataques da facção criminosa PCC à cidade de São Paulo, em maio de 2005. O filme foi escolhido como o representante brasileiro na disputa por uma indicação ao Oscar 2010, na categoria de melhor filme estrangeiro.

Valor: R$ 70,00

fONTE: TELEZOOM

sexta-feira, 8 de abril de 2011

DANÇA: Centro de Dança e Cultura apresenta: Conexão Urbana - RJ

SELEÇÃO: Elenco para TV Século 21

 
A TV Século 21 está selecionando atores/atrizes de todas as idades para suas novas produções. São minisséries bíblicas.
.
Os interessados devem enviar currículo e foto para lucas.dir@tvseculo21.org.br e marcela@tvseculo21.org.br
.OBS: Atores que tenham o PERFIL de JESUS CRISTO enviar urgentemente curriculo e foto e colocar uma observação no assunto: PERFIL JESUS CRISTO
.
http://www.tvseculo21.org.br/tv/

SELEÇÃO: Atores para web série "Zero_800".


Seleção de elenco para piloto de websérie

A série chama " Zero_800". Conta a história de funcionários de uma empresa de telemarketing recém inaugurada no Brasil.
Os testes serão em abril e as gravações em maio.

PERFIL DOS PERSONAGENS


EURICO - Aparenta 40 anos; gerente da empresa; malandro; inescrupuloso.

SAMUEL - entre 50 e 60 anos; funcionário negro, portador de deficiência física, gay e judeu.

MARIÂNGELA - entre 25 e 30 anos; funcionária bonita, gostosa e inteligente.

WANDERLEY - entre 25 e 30 anos; funcionário padrão; aquele que se acha engraçado; que passa gel no cabelo e usa ternos de R$80,00.

ANDERSON - entre 25 e 30 anos; funcionário tímido, gago; mas quando está ao telefone, se tranforma.

GISELE - entre 25 e 30 anos; funcionária gordinha, mas com tudo em cima; voz sensual.

Os interessados devem enviar material (2 fotos e breve currículo) para elenco0800@hotmail.com

SELEÇÃO: Curta Metragem "Tocando o Barco"


Seleção de elenco para curta metragem "Tocando o Barco". Com gravações agendadas para julho de 2011, em São Carlos, a produção contará com cinco personagens.

Sinopse: No curta, os adolescentes Alex, Felipe, Thiago e Bruno buscam sua chance em um festival de bandas independentes. Manoel, motorista de kombi escolar, todos os dias leva os garotos para a escola. Superando o conflito de gerações e de gostos musical, Manoel acaba apresentando aos garotos que vai além do universo pop rock que eles conhecem.

Perfis:
Alex, 17 anos
Thiago, 16 anos
Felipe, 16 anos
Bruno, 15 anos
Manoel, 55 a 60 anos

Os interessados devem enviar curriculo e foto para o email tocandobarco@gmail.com, até 15 de abril.

TEATRO: Estreia da peça OS 39 DEGRAUS - RJ

 
Sucesso da temporada paulista 2010/11, OS 39 DEGRAUS,
com Dan Stulbach, Danton Mello, Fabiana Gugli e Henrique Stroeter, direção de Alexandre Reinecke, estreia dia 15 de abril, sexta-feira, às 21h, no Teatro do Leblon – Sala Marília Pêra
 ,
 
OS 39 DEGRAUS  

Misture uma obra-prima do cineasta consagrado Alfred Hitchcock com um saboroso romance de espionagem, acrescente uma pitada de “Monty Python” (série cômica britânica) e experimente a peça Os 39 Degraus, escrita por Patrick Barlow. A montagem brasileira teve sua estréia dia 27 de agosto de 2010, no Teatro Shopping Frei Caneca, permanecendo em cartaz até 13 de março de 2011, sendo o grande sucesso da temporada paulista. A estréia no Rio de Janeiro, se dará no dia 15 de abril, sexta-feira, permanecendo em temporada até 10 de Julho, no Teatro do Leblon – Sala Marília Pêra, sempre de 5ª a domingo.
 
Fora do país, você encontrará esta receita batizada de The 39 Steps. Com temporadas simultâneas em West End (Londres) e na Broadway (Nova Iorque), o clássico filme de espionagem de Alfred Hitchcock, The 39 Steps, transformou-se em uma comédia de enorme sucesso. A versão teatral recebeu inúmeros prêmios, entre eles dois Tony, o Drama Desk Award e o de Melhor Comédia.
 
No Brasil, a direção de 39 Degraus é de Alexandre Reinecke, que também assina a tradução e adaptação brasileira, juntamente com Clara Carvalho. O resultado é uma comédia de suspense, maravilhosamente criativa e emocionante.
 
O elenco reúne os atores Dan Stulbach, que interpreta Richard Hannay, Danton Mello, que vive o Homem 1, Fabiana Gugli, desempenhando três papéis (Annabella, Pamela e Margaret), Henrique Stroeter (Homem 2) e Paulo Ivo (stand in de Stulbach e Mello).
 
Em Os 39 Degraus, Richard, um belo sedutor incorrigível, conhece a linda agente secreta, com sotaque alemão, Annabela Schimit (Fabiana Gugli). Encantado, ele a leva para o seu apartamento, onde ela é misteriosamente assassinada. Esse acontecimento detona toda a trama de suspense policial. Richard, único suspeito, foge com a intenção de investigar as informações passadas por Annabela, salvar seu país e provar a sua inocência. A história acontece em Londres e parte da Escócia, no período Pré Segunda Guerra Mundial. Durante a sua caminhada, o conquistador conhece uma moça chamada Pamela (Fabiana Gugli), que hora o denuncia, hora envolve-se amorosamente com ele e o ajuda durante as fugas. A terceira personagem vivida por Fabiana é Margaret, uma caipira da roça escocesa. Por ter um affair com Richard, ela  o ajuda a fugir da polícia durante sua estada na escócia.

As diversificadas atuações de Dan Stulbach e Fabiana Gugli, Danton Mello e Henrique Stroeter dão vida a 30 personagens, entre espiões, capangas, mulheres, fazendeiros etc. “No vai e vem das interpretações desses dois atores, somam-se cerca de 130 trocas de personagens”, esclarece Reinecke.
 
A trilha é composta por trechos de músicas de filmes de Hitchcock.

Segundo o diretor, esse trabalho é “uma grande e deliciosa brincadeira, um desafio que apresenta várias técnicas e gêneros teatrais, como o melodrama, a dupla de clowns, o teatro de sombra, a mímica e muita expressão corporal”.

Para ele, sua direção se diferencia pela busca de uma execução virtuosa e liberdade de adaptação condizente ao gosto do público brasileiro. “O que existe já é genial. É o tipo de peça que nos aparece uma vez na vida. Um prato cheio para artistas realmente envolvidos com a arte do teatro”. 
 
“Por sorte temos um grupo de atores dedicados e concentrados no trabalho. Todos interagem para depurar ao máximo as indicações do texto, corpo e direção. Realmente uma bela montagem”, completa Alexandre.
 
Antes da temporada carioca, o espetáculo se apresentou na edição 2011 do Festival de Curitiba 2011, nos dias 04, 05 e 06 de abril, como todas as sessões, no Teatro Guairão, esgotadas com antecedência. E em Santos nos dias 09 e 10 de abril no Teatro Coliseu em Santos.
 
FICHA TÉCNICA
 
Autor: Patrick Barlow
Tradução/Adaptação: Clara Carvalho e Alexandre Reinecke
Elenco: Dan Stulbach, Danton Mello, Henrique Stroeter, Fabiana Gugli e Paulo Ivo (Stand In)
Direção: Alexandre Reinecke
Direção Cenográfica: Cyro Del Nero (in Memorian)
Figurinos: Cássio Brasil
Iluminação: Paulo César Medeiros
Trilha Sonora: Daniel Maia
Direção de Movimento/Assistência de Direção: Carol Mariottini
Assistente de Cenografia: Caio Franzolin
Cenotécnico: Estevão Nascimento
Equipe de Cenotecnia: André Ferreira, José Hilton, Junior Dias, Joaquim Francisco da Silva
Serralheria: Francisco Rodrigues e Equipe
Equipe de Adereços: Fabio Nascimento, Karina Jasmiau e Diego Moura
Direção Técnica: Giselle Said
Iluminador Assistente: Lucas Gonçalves e Darihel Souza
Equipe de Montagem de Luz: Jaime Rafael e Danilo Sam
Maquinista: André Ferreira
Contra-Regra: Vitor Emanuel e Sandro Lima
Camareiras: Ana Lares e Deborah Zatz
Microfonista: Edson Tavares
Operador de Luz: Lucas Gonçalves
Operador de Som: Bruno dos Reis
Assessoria Jurídica: Sergio D’Antino
Assessoria de Imprensa: Ney Motta 
Programação Visual e Fotografia: Erik Almeida e Vicka Suarez
Assistente de Marketing Cultural: Tamires Nascimento
Marketing Cultural: Gheu Tibério
Produção: Valdir Archanjo e Ubirajara Saide
Direção de Produção: Sérgio D'Antino
Produtores Associados: Dalva Abrantes, Marcos Mendonça, Marcos Amazonas e Sérgio D'Antino
Realização: Luzes Produções - Bottega D'Arte 2000 - Yuka Produções
 
SERVIÇO
 
Os 39 DEGRAUS
Autor: Patrick Barlow
Direção: Alexandre Reinecke
Elenco: Dan Stulbach, Danton Mello, Henrique Stroeter, Fabiana Gugli e Paulo Ivo (Stand In)
Local: Teatro do Leblon - Sala Marília Pêra
Endereço: Rua Conde Bernardote 26, Leblon (tel. 2529-7700)
Capacidade de público: 462 lugares
Estréia: 15 de abril às 21h
Horário: 5ª, 6ª e Sábados às 21h. Domingos às 20h
Ingresso: R$ 78,00 (inteira)
Duração: 100 minutos
Classificação indicativa: Não recomendado para menores de 12 anos
Até 10 de julho.
 
PROMOÇÃO DO MÊS DE ABRIL:
Ø  1ª semana (dias 14, 15, 16 e 17 de abril): todos pagam R$ 39,00
Ø  5ª, 6ª e domingo todos pagam R$ 39,00
 
SINOPSE
 
Richard, um belo sedutor incorrigível, conhece a linda agente secreta, com sotaque alemão, Annabela Schimit. Encantado, ele a leva para o seu apartamento, onde ela é misteriosamente assassinada.
 
GÊNERO
 
Comédia
 
ATENDIMENTO À IMPRENSA
 
assessoria de imprensa Ney Motta
arteContemporânea comunicação
21 8718-1965 e 2539-2873
neymotta@terra.com.br

quinta-feira, 7 de abril de 2011

TEATRO: Estreia da peça "IGI a árvore da vida " - Você pode entrar de graça, veja como!

ATENÇÃO TODOS OS MEMBROS DA COMUNIDADE ARTISTAS!!

A Peça IGI a árvore da vida de Bruno Bacelar, disponibilizou um par de ingressos para a estreia dia 09/04 as 16hs no Teatro Municipal Ziembinsk, para cada membro da Comunidade ARTISTAS! Basta imprimir o flyer abaixo, chegar com, no mínimo, 30 de antecedência na bilheteria de apresentá-lo.Lembre-se que está sujeito a lotação do Teatro.

Prestigie esta montagem que teve 3 indicações ao Prêmio Zilka Sallaberry de Teatro Infantil. Vá e leve seus filhos, amigos e família em geral.

TEATRO: Revista Boca de Cena - BA


Artes Cênicas em revista

Universo teatral ganha 
Revista Boca de Cena

A publicação baiana conta com participação de pesquisadores internacionais

como o italiano Eugenio Barba e a americana Beatriz Rizk


O mercado editorial baiano contará com uma novidade a partir deste mês: a revista Boca de Cena – Revista de Artes Cênicas da Bahia. Organizada pelos diretores teatrais Luis Alberto Alonso e Paulo Atto, a publicação conta com mais de dez colaboradores, nacionais e internacionais, e aborda temas relacionados à crítica do universo teatral. O coquetel de lançamento será realizado no próximo dia 12 de abril, a partir das 19 horas, no Teatro Eva Herz, localizado na Livraria Cultura, no Salvador Shopping. A primeira edição da revista tem 168 páginas.

Boca de Cena é uma publicação associada ao Festival Latino-Americano de Teatro da Bahia (Filte Bahia) e direcionada a pesquisadores, estudantes, docentes, grupos e profissionais do teatro. O objetivo é estimular o pensar crítico a partir dos aspectos teóricos, dos diferentes espaços e vertentes de investigação e pesquisa na área. “Pretendemos incentivar a cobrir um vazio que existe na área de crítica teatral. Motivar o exercício da crítica é uma das características dessa nossa publicação. Também oferecemos um produto de caráter historiográfico, que pretende manter viva a memória de diversos processos de criação teatral”, avalia Luis Alberto Alonso.

Alonso conta que a revista surgiu a partir dos resultados da trajetória do Filte, que teve sua terceira e bem sucedida edição em 2010, como um recurso sobre as obras cênicas e sua encenação. Ele acredita que Boca de Cena transitará por dois caminhos convergentes. “Um deles envolve o diálogo, a discussão e o debate. O outro é o caminho do registro dos processos de trabalho e pesquisa teatral”, avalia.

Com o lançamento do primeiro número da revista, o Festival Latino-Americano de Teatro da Bahia pretende dar continuidade ao desenvolvimento de novas formas de pensar e discutir o teatro além das fronteiras da representação, fomentando um diálogo necessário entre criadores, pensadores e pesquisadores das artes cênicas. Para isso, boa parte da segunda edição da publicação será dedicada ao teatro baiano, com a participação efetiva de colaboradores locais.  

Pesquisadores nacionais e internacionais
Para compor a primeira edição da Boca de Cena, os organizadores convidaram pesquisadores nacionais e internacionais. Em destaque os trabalhos do diretor e fundador do Odin Teatret, o italiano Eugenio Barba; da baiana Cleise Mendes, membro da Academia de Letras da Bahia e do Conselho de Cultura do Estado da Bahia; da professora, crítica, promotora e pesquisadora teatral americana Beatriz Rizk, do diretor teatral baiano, dramaturgo, jornalista e doutor em Artes Cênicas, Luiz Marfuz; além de Ângela Reis, que apresenta um ensaio sobre o livro Cassandra, de Christa Wolf, e da atriz e pesquisadora do Lume Teatro (SP), Ana Cristina Colla.

A revista está estruturada em quatro blocos: Critica Teatral, Trabalho de Grupo, Intervenções e Dramaturgia. No primeiro, intitulado Crítica Teatral, o leitor é levado a pensar a crítica em função da prática, dos resultados artísticos. Os artigos selecionados são resultados dos encontros do Círculo Internacional Itinerante de Crítica Teatral, que ocorreu em 2008, em Buenos Aires, como proposta da editora Tablas-Alarcos (Cuba). A ideia foi somada a outras intervenções sobre crítica teatral que ocorreram nos últimos três anos do Festival Ibero-Americano de Teatro de Cádiz.

A revista também disponibiliza aos leitores no bloco Trabalho de grupo um vasto material documental sobre grupos de artes cênicas. O enfoque nesta primeira edição recai sobre os 40 anos do grupo Yuyachkani, homenageado durante o III Festival Latino-Americano de Teatro da Bahia, em 2010. Entre os destaques, está o artigo Seguir a si mesmo. Carta a Yuyachkani pelos 40 anos, de Eugenio Barba.         
O bloco Interações traz reflexões de pesquisadores como Luiz Marfuz, Jacyan Castilho, Angela Reis e Matias Maldonado. Já no último bloco, Dramaturgia, a criação da literatura dramática é apresentada em duas obras – uma delas já encenada no próprio Filte, Flores arrancadas à névoa, do diretor, pesquisador, ator e dramaturgo argentino-equatoriano Aristides Vargas, numa montagem de Albanta Teatro de Cádiz (Espanha). A outra, um processo de criação denominado “texto em processo”, reflete sobre O Farol de Alexandria, do dramaturgo, pesquisador e diretor teatral baiano Paulo Atto.           
Boca de Cena, que terá periodicidade semestral e tiragem inicial de 500 exemplares, é uma produção independente com realização do Festival Latino-Americano de Teatro da Bahia, Oco Teatro Laboratório, Carranca Produções Artísticas e Aude Produções Artísticas. A revista poderá ser adquirida na Livraria Cultura do Salvador Shopping, após o lançamento, a um preço de capa de R$ 5,00.
  
Sobre os organizadores:

Luis Alberto Alonso

Formado pela Escola Nacional de Arte, Luis Alberto Alonso estudou no Instituto Superior de Arte de Havana (Cuba). Foi integrante do Teatro Buendia, uma das companhias teatrais cubanas mais importantes de America Latina e Caribe. Residente no Brasil desde 2003, fundou o grupo Oco Teatro Laboratório e criou o Filte Bahia e o Núcleo de Laboratórios Teatrais do Nordeste (Nortea). Integra a equipe de organizadores da Coleção Dramaturgia Latino­ Americana e dirige a Coleção Teoria Teatral Latino­ Americana. É editor da revista Boca de Cena e possui artigos publicados e colabora com importantes revistas especializadas, a exemplo da Artex (Espanha). Participa como ator, diretor e palestrante de festivais ao redor do mundo (Dinamarca, Santo Domingo, Espanha, Itália, Áustria, Alemanha, Grécia, Peru, Equador e Estados Unidos). Tradutor de Literatura Dramática e do livro Cenários Liminares (Teatro, Performance e Política).  É membro permanente do grupo internacional de pesquisa e pedagogia teatral Ponte dos Ventos (Vindenes Bro), dedicado à investigação e trabalho do ator, dirigido por Iben Nagel Rasmussen, atriz fundadora do Odin Teatret.

Paulo Atto   
Paulo Atto é dramaturgo, diretor teatral e produtor cultural. Com mais de 25 anos de atuação, possui formação em Química, Filosofia e Teatro. Participou de programas sobre interpretação e artes cênicas na Alemanha, Rússia, Espanha, Dinamarca e Portugal. Dirige a Cia de Teatro Avatar desde 1987 e, em 2003, associou-se a outros artistas para a criação do Centro Internacional Avatar de Artes (Ciacen) – instituição especializada em projetos e programas de desenvolvimento sócio-cultural através da arte – sendo diretor-presidente por seis anos. Dirigiu espetáculos no Brasil e exterior e possui vasta experiência em comunicação e cultura, realizando oficinas e apresentado espetáculos em países como Colômbia, Espanha, Venezuela, México, Rússia, Estados Unidos, Equador, Cuba, Suíça, Itália e Canadá. Participou de diversos festivais internacionais representando o Brasil com espetáculos como Kaô e A Terra de Caliban. É autor dos textos Diosas Del Olvido, A Confissão e Kaô, entre outros.

Serviço
O que:
Lançamento da revista Boca de Cena
Quando: 12 de abril, às 19 horas          
Onde:
Teatro Eva Herz, localizado na Livraria Cultura, no Salvador Shopping

           
Assessoria de Imprensa
Carolina Campos – Jornalista MTB       
Celular: (71) 8853-1393
Texto: Marcos Paulo Sales – Jornalista MTB 2246

terça-feira, 5 de abril de 2011

CINEMA: CURTA NO BOTEQUIM - ENTRADA FRANCA - RJ


CURTA NO BOTEQUIM

ENTRADA FRANCA!!! 

FEIJOADA, CURTAS METRAGENS E TERREIRO DE BREQUE
O Cine Botequim abre espaço para a exibição de novas produções em um evento que será a maior diversão.
Sessão de curtas-metragens, discussão com um participante especial, troca de idéias, feijoada e um samba de primeira para festejar o cinema nacional. Veja a programação dos curtas.
Você que gosta de cinema, de samba, de feijoada, ou de tudo, venha participar! 

Quando: 09/04, a partir das 12h (começamos a servir a feijoada). Sessão dos curtas: às 14h. Samba: grupo Terreiro de Breque, às 15h 

Local: Cine Botequim (Rua Conselheiro Saraiva, 39, Centro).
Informações: 2253-1414
Realização: Cine Botequim e Ovo de Pata

DANÇA; Oficina Gratuita de Contato e Improvisação - RJ


Oficina de Contato e Improvisação
Prof.: Fernando Néder
Dias 05, 07, 12 e 14 de abril
10h45 às 12h45

NÃO ESQUEÇA!

As inscrições para a Chamada Pública do Centro Coreográfico vão até o dia 05 de abril, sem prorrogação na data de envio da proposta e dos formulários!

Você já possui cadastro em nossa mala direta?
Adicione o Cco nas mídias e redes sociais também!

Twitter – www.twitter/CCoreografico

TEATRO: A DONA DO FUSCA LARANJA - RJ



A DONA DO FUSCA LARANJA, de Jô Bilac
Estréia dia 8 de abril no Oi Futuro Flamengo
 
A dona do fusca laranja é uma performance-instalação autoficcional que fala de perdas, leva espectadores para passear de fusca pela cidade, inclui jam de vídeos comandada pelo designer Ricky Seabra, com trilha sonora do músico performático Siri. A dramaturgia de Jô Bilac  - vencedor da 23ª edição do Prêmio Shell, na categoria Melhor Autor por Savana Glacial, a mesma pelo qual está indicado ao 5° Prêmio APTR - é inspirada em fatos reais, ocorridos com a atriz Camila Rhodi. O roubo do fusca da atriz, um episódio particular e biográfico, serve de gancho para tratar de um tema universal: a perda. A encenação de Fábio Ferreira dialoga com diversas formas de artes, inclusive recursos digitais. Com patrocínio da Oi e apoio cultural do Oi Futuro, a peça estréia dia 8 de abril, cumprindo temporada de sexta a domingo, no Oi Futuro Flamengo, até 29 de maio.
 
A performance acontece em três momentos
 
O primeiro momento é muito exclusivo, apenas para os três passageiros do fusca. Ele tem início às 17 horas, quando o fusca dirigido pela atriz Camila Rhodi parte do Oi Futuro Flamengo com apenas três passageiros, para circular pelas ruas da cidade com a Dona do Fusca. Cada dia haverá um roteiro diferente de ruas, histórias e acontecimentos, que se repetem a cada semana. São três diferentes histórias que serão contadas uma a cada dia (sexta, sábado e domingo). O público é assim conduzido a partir dessas histórias, autoficcionais, da atriz com o seu fusca. Dessa forma, ele é capaz de se identificar, rir e se sensibilizar com essas histórias cotidianas. Durante o “passeio”, tudo que acontece e se fala dentro do fusca, e a reação dos caronas, está sendo filmado por duas câmeras, uma na parte da frente e outra atrás do carro.
 
O segundo momento é para todas as pessoas que circulam pelo Oi Futuro Flamengo. Ele começa logo após os passageiros serem deixados no Oi Futuro, quando a atriz parte novamente dirigindo o fusca e vai para um ponto da cidade onde o fusca tem uma história – onde ela viu o carro pela primeira vez, onde ele foi roubado, etc. Nesse local, estacionado, a atriz fica numa clausura, com as câmeras ligadas, transmitindo em tempo real para o Oi Futuro, ela escreve, escuta os cassetes que costumava ouvir no carro roubado, convida pessoas que estão na rua para conversar, telefona do celular e marca encontro com amigos, fala com as pessoas do Oi Futuro, onde no foyer, entre 19h e 20h, estará acontecendo uma jam de vídeos comandada pelo designer Ricky Seabra, que tem uma mesa de cortes com imagens do material gravado durante o passeio com os três passageiros e as câmeras em tempo real (da clausura da atriz), com trilha sonora do músico performático Siri. Neste período acontece um pequeno show de imagem e som.
 
E o terceiro momento é para as 50 pessoas que adquiriram os convites. Neste momento a atriz Flávia Espírito Santo interpreta uma guia do “Museu do fusca”. Quando o fusca chega com a atriz, no foyer do Oi Futuro tem início a dramatização do “Museu do fusca”, quando serão expostos tudo o que não foi roubado com o carro, inclusive a própria Camila Rhodi. Neste momento será narrado várias circunstâncias do fusca. Haverá também textos falados e gravados, de textos de e-mails recebidos pela Camila Rhodi, depois do roubo do fusca, que serão lidos pelos próprios autores e exibidos por pequenas três telas localizadas junto a exposição.
 
A narrativa sobre o roubo do fusca é o mote que Jô Bilac usa para tratar de algo bem mais universal: a perda! Assim, toma o argumento autobiográfico para se perguntar como cada um de nós pode lidar com isso.
 
A escolha pela autoficção como narrativa
 
Com A dona do fusca laranja, a atriz Camila Rhodi dá continuidade a experiência narrativa contemporânea autoficcional iniciada com o espetáculo A Filha da Chacrete, de 2008. Segundo a atriz “a escolha pela autoficção como narrativa cria um paralelo à cultura do narcisismo da sociedade midiática e também reflete esse sujeito que se cria ao longo dos séculos. Através da memória se possibilita o resgate a importância da simplicidade como instrumento de reflexão sobre as diversas possibilidades na vida de cada pessoa.” 
   
FICHA TÉCNICA
 
Dramaturgia: Jô Bilac (sobre notas e depoimentos de Camila Rhodi)
Direção: Fábio Ferreira
Concepção: Camila Rhodi e Fábio Ferreira
Atriz-performer: Camila Rhodi
Performers convidados: Flávia Espírito Santo (Guia do Museu do Fusca) e Ricky Seabra (Imagens)
Trilha sonora: Siri
Iluminação: Renato Machado
Instalação Cênica: Tainá Xavier
Trilha Sonora: Siri
Figurino: Camila Rhodi
Preparadora Vocal: Clarisse Lopes
Restaurador do Fusca: Pedro Rodrigues Aguiar Filho
Diretor Técnico: Thiago Stauffer – Studio Prime
Cenotécnicos: Carlos Augusto Campos e Leandro Ribeiro
Produção de Imagens: Orlando Avila
Assessoria de Imprensa: Ney Motta
Fotos (divulgação): Renato Marques
Foto do fusca (cenário): João Gabriel Salomão
Programação Visual: Tania Grillo
Consultoria de vídeo: Rico Vilarouca
Assistente de Direção: Dulce Penna
Assistente de Produção: Débora Amorim
Assistente Técnico: Aldo Haroldo
Estagiária de Cenografia: Nathalia Valadares
Assessoria Administrativa: Baruc Produções (Eloá Ribeiro e equipe)
Produção: Ativa Produções - Camila Vidal e Estela Albani
Realização: PROJÉTEIS - Cooperativa Carioca de Empreendedores Culturais
 
SERVIÇO
 
Nome da peça: A dona do fusca laranja
Dramatrugia: Jô Bilac
Direção: Fábio Ferreira
Com Camila Rhodi, Flávia Espírito Santo e Ricky Seabra
Local: Oi Futuro. Rua Dois de Dezembro 63, Flamengo, RJ. Tel.: 3131-3060
Estréia: 8 de abril, sexta-feira
Temporada: Sextas, sábados e domingos
Horário/Duração/Público/Ingresso:
- 17h (1° Momento: 3 passageiros passeiam com a personagem central da história, circulando no fusca laranja pelas ruas da cidade) / Duração: 60 min. / GRÁTIS c/ DISTRIBUIÇÃO DE SENHAS A PARTIR DAS 16:30H, VÁLIDAS TAMBÉM PARA A SESSÃO DAS 20H.
- 19h (2° Momento: Jam Session com performance musical de Siri, performance em vídeo de Rick Seabra e a exposição O Museu do Fusca, no foyer no Oi Futuro) / Duração: 60 min. / Aberto a todas as pessoas que estiverem no Oi Futuro / GRÁTIS c/ ENTRADA FRANCA
- 20h (3° Momento: Performance-instalação A Dona do Fusca Laranja, no foyer no Oi Futuro) / Duração: 60 min. / Capacidade de público: 50 pessoas / GRÁTIS c/ DISTRIBUIÇÃO DE SENHAS A PARTIR DAS 19:30H.
Classificação etária: Não recomendado para menores de 18 anos
Até 29 de maio
 
ATENDIMENTO À IMPRENSA
 
assessoria de imprensa Ney Motta
arteContemporânea comunicação
21 2539-2873 e 8718-1965
neymotta@terra.com.br